Em busca de uma espiritualidade bíblica



Em busca de uma espiritualidade bíblica
Lucas 10.25-37 “O bom samaritano”

A pior resistência que se pode ter ao Senhor é quando usamos uma capa religiosa de espiritualidade

Jesus foi questionado de maneira intrigante, principalmente se colocada aos nossos dias.
Lucas 10.25 – Mestre, que farei para herdar a vida eterna?
Jesus responde com outra pergunta;
Jesus entendia que esta era uma pergunta retórica (aquele que perguntou já sabia a resposta);
Jesus nos ensina que muitas vezes uma pergunta será a melhor resposta;
A salvação tem uma ligação profunda da nossa relação com Deus, conosco e com o próximo;
Amar é a coisa que mais desejamos, e ao mesmo tempo aquilo que mais temos medo;
A qualidade da fé cristã é o entendimento do sacrifício perfeito de Jesus Cristo, mas á ainda o exercício e a prática do amor de Cristo no cotidiano;
O amor é fundamental na vida cristã”.

Lucas 10.29 – Quem é o meu próximo?
Uma segunda pergunta é levantada, e assim como a primeira, trata-se de uma pergunta evasiva, sem objetivo.
Jesus doutrinava e alimentava o povo por meio de histórias simples do dia a dia das pessoas;
As histórias ainda que simples, sempre causavam um profundo impacto na vida dos ouvintes;
Sacerdote – Representa o pastor, o líder religioso, aquele que conhece e entende todos os códigos de lei e dos regimentos internos da sua denominação, uma pessoa extremamente burocrática, um ser voltado para atas, relatórios e dados.
O único exército que passa e não volta para resgatar os seus feridos é a igreja
 Levita – Elite religiosa, um professor de teologia, alguém que tem reposta para tudo, uma pessoa legalista.
Não vale e nunca valerá a pena, cumprir a lei e ao olharmos para trás, ver que deixamos diversas pessoas feridas, arrebentadas


Samaritano – Um idólatra, meu vizinho, um descrente, um ateu, um homossexual, uma prostituta, meu patrão, o sujo, o pobre, o mal-educado, alguém a quem não suportamos.
Quando nós olhamos para os jornais, para os nossos vizinhos, e para tudo o que acontece no mundo, nos consideramos justos e santos, contudo, quando fixamos os nossos olhos em Jesus Cristo teremos a compreensão certa do que verdadeiramente nós somos

O tratamento


O sacerdote e o levita – Demonstraram uma frieza incalculável, de proporção grandiosa, não apenas pelo ferido e arrebentado, mas também para si mesmo. Ao não perceber a necessidade do seu próximo (ambos) deixaram de ver, entender e praticar aquilo que Deus os designará a fazer, compadecer-se e amar ao aflito, angustiado, ferido e perseguido.
O samaritano – Dá um tratamento diferenciado:
Alivia a dor (óleo); Purifica o ferimento (vinho e vinagre);
O samaritano traz alívio, suaviza a dor do aflito e depois começa a purificá-lo;
O meu próximo – é aquele que eu rejeito, que eu discrimino, que eu desprezo, que não suporto, a quem invejo;
Jesus conta uma história e volta a introduzir ou desenvolver sua resposta com outra pergunta: “Qual destes três te parece ter sido o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” (Lucas 10.36)

Conclusão - Lições: Vai e procede tu de igual modo (Lucas 10.37)
Não há misericórdia para o meu próximo, se não eu tiver comigo;
Vida eterna nada tem haver com apenas crer em uma reta doutrina, mas ter uma vida de vínculos, afeto e solidariedade aqueles que estão próximos de nós;
O entendimento saudável das sagradas escrituras, a compreensão saudável da reta doutrina, resulta em uma vida prática de amor;
O texto nos ensina que somos seres humanos falhos, fracos, limitados, e que o poder de Deus se aperfeiçoa nas nossas fraquezas e isto é evidente em uma vida de amor.

Adaptação da mensagem ministrada pelo pastor Osmar Ludovico
Postar um comentário