UMA CARTA AOS PAIS DE GAYS


UMA CARTA AOS PAIS DE GAYS


Muitos pais me escrevem falando de sua angústia ante as confissões feitas por filhos que se sentem gays desde a infância.

Sei que a angústia que se abate sobre os pais nessa hora é sempre esmagadora. Afinal, nem casais gays adotam uma criança do sexo masculino esperando ter entre eles uma “menina psicológica”. E se há tais casos de errada expectativa quanto ao filho adotado por um casal de gays, todavia, ainda assim eles pertencem à minoria microscópica em relação ao padrão de expectativas.

Quando se tem um filho homem ou mulher, sempre se espera que eles sejam conforme o gênero explicitado: macho ou fêmea.

Entretanto, quando este não é o caso, em geral os pais sofrem tanto, e manifestam tanto desgosto, dor e repúdio à condição, que acabam por transferir tudo para o próprio filho, e, assim, o abismam no chão profundo da possibilidade de suicídio, ou, na maior parte das vezes, em grande promiscuidade.

Filho ou filha que se confessem gays devem ser chamados à avaliação à luz da verdade, a fim de que vejam se são ou não, pois existe muito auto-engano, muito mecanismo de fuga ou de chamada de atenção, muito vício, ou mesmo muita determinação oriunda de conflitos na área da sexualidade, e que acabam por supostamente definir para a pessoa uma preferência gay como simbolização de outras confusões interiores.

O que os pais devem fazer?

Ora, devem orar no secreto, e, além disso, devem amar seus filhos e tratá-los na verdade, pois, somente assim se poderá ajudá-los em qualquer que seja a configuração ou evolução da situação.

Além disso, deve-se também esquecer do instinto egoísta de encobrir o filho a fim de que os pais não se vejam expostos ao julgamento de milhões de juizes de tudo; e até da culpa do pai ou mãe que tiveram tal filho; ou ainda da culpa por serem os pais que não souberam educar bem o filho; ou ainda: em razão de que tais pais são postos na posição de escolha entre serem leprosos com os filhos ou afirmarem os filhos como leprosos como “sobrevivência social” para eles. Sim! Há pais que renegam seus filhos como os pais do Cego de Nascença o renegaram, de acordo com a narrativa de João 9.

Para completar a angústia de tais pais ainda existe a condenação imediata do filho ao inferno. Sim! Pois no meio evangélico e católico (e S/A) há certos trigos e joios que já foram separados antes da hora, e, portanto, já se os pode lançar no inferno de antemão; e, entre tais, estão todos os gays.

Há pais que sofrem tanto, que o filho ou filha gay vêm a se matar a fim de evitar que os pais sofram com sua existência. Tais filhos internalizam o sentimento de que seus pais prefeririam a dor da condenação do suicida à vergonha provocada pela existência de um filho gay. Por isso é tão alta a incidência de suicídios entre gays cristãos.

De fato, numa hora assim é que se sabe se o pai ou mãe de fato são convertidos aos seus filhos, conforme o espírito do Reino.

Um pai ou mãe têm sempre que agir como o Pai que está nos céus, que ama mais que qualquer mãe.  

Somente no amor tal família terá ar e saúde para prosseguir. Somente amor e muita misericórdia fazem com que cada parte envolvida no processo possa ajudar a outra a sofrer menos; e, depois, pararem de sofrer, quando a consciência de todos se firmar na certeza do amor de Deus e na perseverança na verdade do Evangelho.

Amor e amor. Nada além de amor. Nada aquém de amor. Amor é tudo. O amor fala todas as línguas e entende tudo. O amor ajuda em qualquer que seja a viagem. Sem amor, qualquer viagem é morte para qualquer homem.

Assim, pais: amem em verdade, justiça e liberdade; pois, é no ambiente do amor que a saúde se estabelece sobre a situação.


Nele, em cujo amor sou guiado pelo Seu Espírito,


Caio
28/01/08
Lago Norte
Brasília
DF


Postar um comentário