O futebol diferente


O futebol diferente


Escrevi e li bastante sobre o baixo nível técnico de muitos jogos disputados até agora, pela Copa da África do Sul.

Penso que precisamos estender bem mais as análises dos motivos pelos quais isso está ou não acontecendo. Primeiro, não podemos confundir equilíbrio técnico com a falta dele. Existe hoje uma paridade de forças jamais atingida e isso proporciona jogos com menor número de oportunidades criadas. Mas, a principal conclusão que podemos chegar é de que o jogo está, predominantemente, primeiro defensivo e depois ofensivo, exatamente nesta ordem de escolha. Seja pela importância da competição ou por essa pressão exagerada a que são submetidos atletas e técnicos, a opção mais segura é jogar mais no erro do adversário, assumindo então um papel de coadjuvante na partida. Ser protagonista está trazendo menos benefícios, então a escolha é pela sobrevivência. Se quisermos assistir mais jogos de qualidade indiscutível, vamos ter de assumir um papel mais claro no que diz respeito ao futebol que realmente queremos.

Mesmo nas seleções mais qualificadas como Holanda, Brasil, Argentina e Alemanha, é visível a dificuldade de criação de jogadas ofensiva, quando enfrentam equipes com propostas predominantemente defensivas. E culpar técnicos por suas opções táticas já não deve enganar o torcedor mais observador.

As três seleções citadas utilizam diferentes sistemas e estratégias táticas e, mesmo assim, enfrentaram o mesmo tipo de dificuldades em jogos com esta característica.

A confirmação da tese

Dinamarca 2 x 1 Camarões

Foi o melhor jogo da Copa até aqui, mesmo porque o placar mais adequado seria 3 a 3 ou 4 a 4. Os espaços cedidos pelas duas equipes foram generosos e a partida ficou no estilo lá e cá. Apareceu o espaço, apareceu o jogo. Só que Camarões está fora da Copa e amanhã, vamos ouvir ou ler pedidos para que os responsáveis pelo futebol daquele país troquem de técnico. O futebol bem jogado será esquecido e aí tudo vai voltar a ser pesado novamente. Vale ou não vale a pena se arriscar mais?

Amanhã tem Brasil

Certamente, o jogo de amanhã contra Costa do Marfim será melhor. O Brasil estará melhor, o adversário é melhor do que a Coréia no Norte e para completar, vai jogar diferente. O jogo promete, é só esperar.


Fonte: http://manomenezes.blog.terra.com.br/2010/06/19/o-futebol-diferente/

1 comentário