SENADORA JOVEM


SENADORA JOVEM

Na juventude, engajou-se nos movimentos ligados à Igreja Católica e aos seringueiros. Em 1984, participou da fundação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Acre ao lado do líder seringueiro Chico Mendes, assassinado em 1988. Filiou-se em 1985 ao PT, partido que deixou em 2009 para disputar a Presidência pelo PV.

Durante seu mandato parlamentar, Marina Silva participou com mais ênfase em debates sobre a questão ambiental, a área social e educação. Desde que entrou na corrida presidencial, no entanto, passou a estudar economia com mais afinco.

"Ela não queria mais ser candidata ao Senado, sentia a necessidade de voltar para a sociedade e que a sua contribuição como parlamentar no momento estava dada. Queria voltar para a sociedade para trabalhar com psicopedagogia ou com questões ambientais fora do Parlamento", revelou o assessor, contando que seus planos mudaram quando surgiu a oportunidade de concorrer ao Palácio do Planalto pelo PV.

Casada e mãe de quatro filhos, Marina Silva obteve seu primeiro cargo eletivo em 1988, quando elegeu-se vereadora em Rio Branco. A vitória nas eleições representou uma recuperação do revés sofrido dois anos antes, quando não conseguiu uma vaga como constituinte.

Em 1990, conquistou uma cadeira na Assembléia Legislativa do Estado do Acre, de onde seguiu para o Senado em 1994 aos 36 anos, conquistando o título de senadora mais jovem da história da República.

Ela concorreu à reeleição em 2002 e venceu, mas licenciou-se do cargo para assumir o cargo de ministra do Meio Ambiente em 2003.

Após enfrentar diversas disputas por tentar impedir o avanço de projetos de infra-estrutura e da área da agricultura que pudessem prejudicar a natureza, deixou o governo em maio de 2008. A candidata do PT à Presidência, a ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff, fazia parte justamente da ala oposta à de Marina no Executivo.

Sua candidatura tem recebido o apoio de diversos artistas e é acompanhada com interesse em outros países devido à projeção que a senadora ganhou nos últimos anos. Entre as homenagens internacionais que recebeu, destaca-se o prêmio "Champions of the Earth" da Organização das Nações Unidas (ONU) por sua luta pela preservação da Amazônia.

Fonte: http://noticias.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=24532993
Postar um comentário