Em todo "mal" se oculta um bem "imerecido"...


Uma sexta-feira cinzenta e nublada com arco-íris é uma estação temporal aparentemente "mal" que leva consigo um bem "imerecido"oculto a ser revelado ao tempo oportuno...

Como tenho saudade
dos meses que se passaram,
dos dias em que Deus
cuidava de mim,
quando a sua lâmpada brilhava
sobre a minha cabeça
e por sua luz eu caminhava
em meio às trevas!
Como tenho saudade
dos dias do meu vigor,
quando a amizade de Deus
abençoava a minha casa,

A compreensão do "bem oculto" no mistério de Deus não necessariamente consegue desemocionalizar o sofredor. Uma coisa é o consolo que vem da fé que se rende ao mistério; outra, bem diferente, é o sarar das memórias e de suas dores e saudades!

"A amizade de Deus estava sobre a minha tenda" - nos fala de uma saudade imensa!

Todavia...

Eu sei que o meu Redentor vive,
e que no fim se levantará
sobre a terra.
E depois que o meu corpo
estiver destruído e sem carne,
verei a Deus.
Eu o verei
com os meus próprios olhos;
eu mesmo, e não outro!
Como anseia no meu peito o coração!

A resposta de Jó a esse estado de coisas e sentimentos é a seguinte: Minha fé me diz que se meu mal veio de Deus, a cura virá só e tão somente dEle; e mais: eu creio que mesmo brigando com Deus, de meus lábios só Lhe procedem louvor.

Isto porque, em meio a tudo, ele (Jó) sabe que "seu redentor vive e se levantará" em seu favor.

Ele (Jó) também sabe que mesmo estando em "pele e osso", ainda em sua própria carne - ou seja: ainda no tempo e no espaço - ele veria a Graça de Deus a seu favor.

Ele sabe que assim como ele sente saudades de Deus, Deus também sente saudades dele.

Pois, "um único raio de sol é suficiente para afastar muitas sombras";

"No fim tudo dá certo, se não deu certo é porque ainda não chegou ao fim"...

Em todo "mal" se oculta um bem "imerecido" a ser revelado...



Autoria: Um canalha redimido chamado João, Jó, Caio Fábio, Fernando Sabino e São Francisco de Assis
Postar um comentário