A insônia de Dilma se chama Marina...




Ninguém hoje tira tanto o sono da cúpula petista e da Sra. Dilma quanto a figura da Marina Silva.

Eduardo Campos e Aécio Neves são fortes, ambos possuem dinheiro, mídia, bases fortes, mas nem mesmo unidos vencerão Dilma.


E nada como uma boa disputa política entre as mulheres.

Confesso que competição entre as mulheres pode nem sempre ser mais sadia, mas é mais admirável. 

Pois os homens quando são vencidos no embate racional partem para o uso da força física, enquanto as mulheres usam das múltiplas virtudes e qualidades para mudaram a rota do jogo.

A Marina incomoda pois é aceita tanto pelo grupo do Aécio, quanto pelo grupo do Eduardo. Já o mesmo não ocorre entre os grupos tucanos e laranjas.

E como se não bastasse, ainda é benquista por parte da ala governista, e tem admiradores até no bloco de extrema esquerda do Brasil.

Nas últimas eleições presidenciais a mídia sufocou Marina a míseros 8%, que oscilaram até os 11%, e o que vimos no fim do primeiro turno foi a Marina chegar aos 20%, ficando a 12% do segundo colocado Serra que nas pesquisas chegou a ter 37%. Dilma que estava praticamente eleita terminou com 46%, mas tendo ao seu lado a figura do ex-presidente Lula, o apoio do PMDB, além da máquina pública.

Uma andorinha só não faz verão? 

Três anos se passaram, e ela não caiu no esquecimento e muito menos no desgosto do povo.

Com exceção a trupe do PT (há exceções), todos os demais partidos assinaram e apoiaram a Rede Sustentabilidade, seja por uma finalidade ou por outra.

O fato é que dos possíveis candidatos a presidência no próximo ano, se há alguém que não tem o rabo preso, esta é a Marina Silva.

Insisto na importância de um diálogo com o Sr. Chico Alencar, na caminhada e construção destes ideais!

Mas não só o Chico Alencar, temos também o Marcelo Freixo, Eduardo Suplicy, Paulo Paim, Cristóvão Buarque, Manoela D'avila, Carlos Bezerra Junior, Jefferson Moura, e alguns outros excelentes nomes na construção de uma nova conjuntura política!

João Vicente Ferreira Neto
Postar um comentário