BRASIL UMA DEMOCRACIA DE APENAS 24 ANOS...



BRASIL UMA DEMOCRACIA DE APENAS 24 ANOS...


A Europa assiste sem espanto o que ocorre no Brasil. 

Manifestações pacíficas ou com quebra quebra (na sua grande maioria) lá são comuns, e não é de agora. 

Falamos sobre uma cultura que desde os seus primórdios entendem como poucos o que é ir as ruas. 

E sem dúvida alguma nós brasileiros temos muito a aprender com eles.

Há um alarme gigantesco sobre as manifestações no Brasil. Um disse não disse que vai aos quatro cantos.

E estas (manifestações) já se tornaram tão festivas quanto os eventos esportivos que estão e irão ocorrer no país. 

Em Salvador por exemplo a massa gritava: "Não é carnaval, é Salvador caindo na real". 

E o que se via era um enorme quantidade de pessoas de modo ordeiro e pacífico protestando, outros (em minoria e destes a maioria ativistas) com os ânimos mais elevados se dirigindo a Nova Fonte Nova (sem sucesso), e um grupo de vândalos e ladrões se aproveitando da situação para furtarem agências bancárias e lojas. 

Então, por um lado há aqueles que falam em "paz e sem violência" o tempo inteiro, mas fica a pergunta: Qual foi a mudança significativa que ocorreu na história da humanidade apenas com protestos pacíficos? 

Em 1930 (Geração de 30 e as manifestações culturais e artísticas), em 1968 (Movimento Estudantil - magnitude mundial), em 1985 (Diretas Já) e em 1990 (Movimento estudantil dos caras pintadas) não foi assim!

Obviamente que em todos estes anos os problemas eram mais evidentes, específicos.

As causas apontadas às mudanças eram mais perceptíveis. 

Mas será que hoje não o são? E não seria a corrupção, como a maioria o diz? Mas a corrupção de quem ou de que?

"A corrupção não é invenção brasileira, mas às vezes parece até ser, ela está no DNA do brasileiro" como disse a deputada federal do RJ Cidinha Campo

Por outro lado, o que alguns infiltrados (sejam de direita, esquerda, facistas, mô fios, partidos políticos, playboys, ladrões e bandidos) que não representam o MPL - Movimento Passe Livre, nem mesmo os demais manifestantes (Povo que infelizmente corresponde a uma parcela de talvez no máximo 35% da população do Brasil), o que estes infiltrados fazem não corresponde a absolutamente nada. 

Estes sim, são apenas vândalos, desordeiros, que quebram tudo o que veem pela frente como um bando de animais irracionais (aquele cena onde 12, 13 ou 15 rapazes balançam um poste no RJ até derrubá-lo e depois de ir ao chão ainda continuaram atacando - pasmem, um poste - me fez lembrar das brigas entre as torcidas organizadas de futebol, é a briga pela briga, o ódio pelo time adversário é maior do que o amor que se sente pelo seu próprio clube.

É óbvio que as manifestações tomaram uma proporção descontrolada. E isso pode ser bom, e ao mesmo tempo perigoso!

Uma multidão que vai "caminhando e cantando e seguindo a canção", mas sem saber o por quê de tal. Nos lembrando uma cena do filme Forest Gump onde o personagem principal sai pelas ruas a correr sem saber bem o por quê, e leva consigo uma multidão que o seguem sem saberem o por quê também.

Aqui em João Pessoa por exemplo, ouvíamos alguns gritos que repeliam o deputado Marco Feliciano por causa do polêmico projeto da "cura gay", e depois ouvíamos os mesmos manifestantes gritando: "Feliciano viado". Daí nos veem a perguntar: Eles protestavam contra o que ou contra quem? Contra o falso projeto de lei ou contra os homossexuais?

O Brasil é uma democracia de apenas 24 anos. Que esta aprendendo a reagir diante das injustiças.

O receio é que as manifestações quer pacíficas ou não, apenas fiquem onde estão.

É claro que devemos avançar, nos ajuntarmos, mas qual a finalidade disso?

Apenas ir as ruas? Apenas levantar cartazes de insatisfação?

A grande resposta precisa ser dada nas urnas nos próximos anos!

A grande resposta precisa ser dada na nossa mudança de comportamento, abandonando e repelindo o tal "jeitinho brasileiro".

Que a diversidade e multiplicidade sejam o norte das manifestações, que haja não mais um líder, mas diferentes opiniões e pontos de vistas sobre todos os tópicos levantados até aqui.

O importante neste momento é vivenciar a multiplicidade de ideias, e não deixá-las ao relento. É ter o cuidado de ir seguindo adiante não como um jumento no cabresto, como alienados que não possuem algo relevante a dizer, e que apenas reproduzem discursos cansativos e retrógrados.

O Brasil é uma democracia de apenas 24 anos, mas que pode amadurecer antes de chegar a fase adulta.

Pela diversidade e multiplicidade de ideias e ideais, mas pelo silêncio, omissão e alienação jamais!


João Vicente Ferreira Neto
Postar um comentário