Os vaga-lumes resplandecem em meio a escuridão



Um andorinha só não faz verão? 

Mas os vaga-lumes resplandecem em meio a escuridão. 

O ir e realizar se dá de muitas formas no dia a dia, no contato com o povo, levando-os a refletir e a mudarem a maneira de se portarem diante das calamidades, não recebendo tentativas de subornos, denunciando os casos de corrupção, ajudando os menos instruídos sem visar a obtenção de lucros. 

Quem quer ir e realizar "não espera acontecer" por fazer da sua própria vida uma realização do que se acredita, agora se submeter aos caprichos alheios de quem se acha único quando há no mínimo mais 7 mil iguais por aí é não ter consciência do que se é. 

Quem quer pescar não chama, vai lá e pesca! 

E cada um pesca ao seu próprio modo. 

Abandonei o canudo, deixei a "batina" por entender que o dia a dia como um ser comum como outro qualquer com contato com gente de carne e osso me daria e me dá a possibilidade de espalhar e propagar com mais veemência o que acredito e vivo, ainda que eu não passe de um maltrapilho. 

Mas vivo com a paz de que há alguém que me conhece melhor que eu mesmo, e me aceita assim mesmo do jeito que sou, aliás, não só a mim, mas a todos.

João Vicente Ferreira Neto
Postar um comentário