O Belo classificado a Série C em 2014!



Jogando fora de casa contra a excelente equipe do Tiradentes que até então nos seus domínios no estádio do Fortaleza (Presidente Vargas) não havia sequer levado um gol em todo o Campeonato Brasileiro (série D), e consequentemente não havia amargado uma derrota em casa, o Botafogo que jogou com 01 Hemerson, 02 Ferreira, 03 Marcel, 04 André Lima (depois Mario), 05 Zaquel, 06 Celico, 07 Hércules, 08 Pio, 09 Fausto (depois Paulinho Macaíba), 10 Lenílson, 11 Rafael Aidar (depois Doda), técnico Marcelo Vilar, venceu por 1 x 0 com gol do meia atacante Lenílson aos 40 minutos da primeira etapa.

Ironia ou não, o fato é que o ano de 2013 se tornará um ano inesquecível ao time e aos torcedores do Botafogo.

Primeiro a formação de um time desacreditado por cerca de uma década, colecionando fracassos após fracassos, tendo como grande conquista neste período uma quase inexpressiva (extinta) Copa Paraíba.

Como se não bastasse teria de enfrentar os fortes Sousa e Campinense, representantes do estado na Copa do Nordeste que teve a raposa de Campina Grande como campeã. Além do Treze (hoje maior rival do Belo, devido aos anos de inexpressividade do Auto Esporte), e do CSP, atualmente a segunda força do futebol pessoense.

O fato é que de forma organizada o Belo conquistou o primeiro turno do estadual. Jogou mal o segundo turno que teve o seu apogeu de crise na goleada sofrida em pleno Almeidão por 4 x 1 diante do Campinense, naquele jogo o atacante Warley que tem oscilado altos e baixos nesta temporada havia perdido mais um pênalti, o quarto no estadual.

Nas semifinais o Belo eliminou o CSP com duas vitórias, e na final enfrentou o Treze.
No primeiro jogo para um Almeidão lotado, apesar de dominar quase que inteiramente o jogo, o Botafogo perdeu por 1 x 0, tendo a dura missão de vencer por dois gols de diferença nos domínios do adversário.
E no jogo da volta após um primeiro tempo amarrado, o Belo chegou aos seu objetivo, com gols de Wanderley, Hércules e Ferreira (assista aqui: http://www.youtube.com/watch?v=Gow4KlcivoM), o Belo fez 3 x 0 sobre o Treze em pleno Amigão, calou a torcida galista e voltou a comemorar um título estadual após 10 anos, de quebra garantiu uma vaga no Campeonato Brasileiro da série D deste ano, na Copa do Nordeste e Copa do Brasil do próximo ano.

Mantendo grande parte do elenco comum excelente trabalho de toda a diretoria, especialmente do presidente Nelson Lira, o Botafogo se reforçou para o estadual com jogadores como o atacante Fausto, o meia Pio e o meia atacante Lenílson (campeão brasileiro com o São Paulo em 2006).

Na série D o Belo começou de maneira lenta conquistando dois empates, ou melhor, sofrendo dois empates, já que em ambas as partidas começou vencendo e por não matar o jogo acabou sendo penalizado com os gols de Juazeirense (1 x 1 na Bahia), e Sergipe (1 x 1 no estádio o Almeidão em João Pessoa), finalmente o Belo chegou a sua primeira vitória ao vencer o CSA fora de casa por 1 x 0, conseguiu uma nova vitória desta vez jogando nos seus domínios diante do Vitória da Conquista por 2 x 0, uma semana depois amargaria sua primeira derrota justamente diante do Vitória da Conquista, desta vez na Bahia. O Belo encerrou a primeira fase emplacando uma série de três vitórias diante de CSA (2 x 0 no Almeidão), Sergipe (2 x 3) em Itabaiana e Juazeirense (4 x 2 no Almeidão) terminando assim com a melhor campanha no seu grupo tendo o direito de jogar a segunda partida das oitavas de finais em casa.

Nas oitavas o Belo não teve vida fácil, apesar do apoio de sua torcida em Caruaru, o Belo perdeu por 3 x 1 para o Central e ainda perdeu o zagueiro André Lima expulso. Na volta tivemos um jogo dramático onde Botafogo jogou até os 30 minutos do primeiro tempo de maneira afobada, e após chegar ao primeiro gol perdeu uma série de boas chances se contentando com o placar obtido na primeira etapa (2 x 0), o fato é que time acabou sendo castigado e mais uma vez teve que correr atrás do prejuízo, na base da raça e do coração conseguiu um gol aos 35 do segundo tempo em cruzamento de Pio para a cabeçada do zagueiro Uruguaio Mario o que levou o jogo a emocionante decisão por penalidades. Vitória do Belo por (5 x 3), em uma das cobranças do Central o excelente goleiro Hemerson pegou.

Classificado o Belo enfrentaria na mais nada menos que a equipe do Tiradentes, até então a melhor defesa do campeonato, a segunda na classificação geral e com o terceiro melhor ataque. Apesar de não ter tanta tradição a equipe da Polícia Militar do estado do Ceará havia se classificado com moral no seu grupo, e contava com jogadores experientes com passagens no futebol paraibano, dentre eles Camilo, Alisson e Ribinha, além de ter um excelente goleiro Fábio e o perigoso atacante Índio. 

No primeiro jogo para um Almeidão lotado com mais de 10 mil pessoas, apesar de uma segunda-feira (dados os mandos e desmandos da CBF), o Botafogo começou nervoso, errando muitos passes e irritando os torcedores. Pio jogador fundamental em todo o campeonato até aqui acusava uma contusão e não parecia aquele mesmo de outras partidas. Até mesmo o craque Lenílson perdido do jogo, errando lances capitais, e foi justamente em erros do Botafogo que a boa equipe do Tiradentes abriu o placar, em jogada nas costas do lateral Ferreira (outro que esteve mal naquele dia, não por acaso acabou substituído pelo garoto Toninho na segunda etapa) Índio dominou dentro da grande área, deu corte seco no zagueiro Marcel e bateu no canto do goleiro Hemerson para abrir o placar. Apesar da insistência do Botafogo que ainda acertou uma bola trave com Doda o primeiro tempo terminou 1 x 0. Na segunda etapa nos cinco primeiros minutos o Botafogo já havia levado mais perigo ao gol do Tiradentes e jogado um futebol mais consistente do que em toda a primeira etapa. Com a entrada de Warley (que não marcava desde o estadual) no lugar de Fausto sempre em bolas levantas por Pio (que pareceu melhor na segunda etapa) na grande área do Tiradentes o Belo levava perigo e foi assim que chegou aos dois gols com Warley que ainda acertou um bola na trave. O Belo ainda poderia ampliar se não fosse mais uma bola na trave, desta vez com Lenílson, além das belas defesas do excelente goleiro Fábio (que levou o terceiro amarelo e ficou de fora do jogo de hoje).

Mesmo com muitas qualidades, o Tiradentes não vencia há 4 jogos, terminou a primeira fase perdendo para o Central fora de casa (2 x 0), depois empatou duas vezes com o Sergipe (2 x 2 e 0 x 0) nas oitavas, e havia perdido de virada no primeiro jogo contra o Botafogo em João Pessoa. Por outro lado enfrentava a equipe que mais venceu fora de casa (com a vitória de hoje foi a terceira vitória) neste Campeonato, que longe de seus domínios só não fez gol contra o Vitória da Conquista ainda na primeira fase, e que contava com um excelente elenco e grande treinador, além de uma torcida apaixonada. Naquele momento o Belo tinha a melhor campanha da série D ao lado do Tupi (MG). Marcelo Vilar que assim como fez contra o Sergipe no jogo em Itabaiana na primeira fase surpreendeu o adversário deixando o meia Doda no banco e colocando em seu lugar Hércules que atuou mais recuado, deixando incumbido de fazer a ligação com Pio que mais uma vez teve grande atuação nesta vitória histórico do Belo. Uma verdadeira invasão da torcida do Botafogo no estádio Presidente Vargas para ver uma atuação segura da equipe, com uma falha ou outra, mas que teve belas defesas do goleiro Hemerson, uma frieza para cadenciar o jogo e matar na hora certa do sempre decisivo Lenílson (que fez o gol da vitória e da classificação aos 40 minutos do primeiro tempo), o Belo garantiu o acesso a série C de 2014 e agora enfrenta a forte equipe do Salgueiro nas semifinais. 

Assim o Belo conquistou dois dos seus três objetivos até aqui: Primeiro a classificação para a fase mata mata, depois o acesso a série C, e agora vamos em buscar do título!     

O gol de Lenílson aos 40 minutos do primeiro tempo no estádio Presidente Vargas em Fortaleza.


Por João Vicente Ferreira Neto
Postar um comentário