DITADURA



DITADURA

Não vivi, não vivo e espero não viver na DITADURA.

Acredito que um dos maiores benefícios que fiz a minha vida foi quando pedi para ser dispensado do exército.

Não me fez, não me faz e espero que nunca me faça falta!

Fui criado por um tia que foi pai e mãe em uma só pessoa e me ensinou os benefícios da disciplina sem o uso da força.

Nestes 30 anos não me lembro sequer de ouvi-la alterar o tom de voz quando foi necessário me advertir, quanto mais levantar a mão.

Palavrões ou palavras torpes ou debaixo calão, nunca, nunca mesmo, não recordo de ouvi-la dizer, nem mesmo em seus dias de mau humor, e se este deslize cometo assumo que o faço por limitação única e exclusivamente minha, mas não por ter recebido uma má educação.

Minha tia não é uma santa. Certamente tem os defeitos dela.
Mas na convivência com a mesma e com a educação que recebi, aprendi algumas lições:

01. O conceito de autoridade não se limita ao homem; e mais, há casos e não poucos que os homens se portam como meninos, e os "homens" da casa são as mulheres;

02. A não viver a crise de ter que ser machista ou feminista, e que ambos são irmãos gêmeos, defendem direitos que nunca foram direitos, apenas imposições sociais que foram enfiadas guela abaixo e sem questionamento algum foram sendo aceitas;

03. Para ser disciplinado não é necessário ser manipulado, sofrer com a beligerância e estupidez alheia, não é necessário ouvir berros, gritos e insultos, muitas vezes um olhar e um gesto já dizem muito sem o uso de palavra alguma;

04. Que respeito se constrói não por imposição, intimidação, força, opressão, mas com o próprio respeito, atenção, ensino, caráter, com palavras apropriadas as circunstâncias;

05. Que ao lado de um grande homem há uma grande mulher (e não atrás como foi e é ensinado).

Poderia citar muitas outras lições e aprendizados ao longo destes anos.

Todavia na educação que recebi da minha tia, concluo que já é suficiente para considerar o militarismo um retrocesso, mas assim como Massaranduba há quem acredita/acredite que as coisas só se resolvem na porrada!

Ainda há aqueles que sentem saudades nostálgicas dos tempos da DITADURA!

João Vicente Ferreira Neto
Postar um comentário