Teatro dá saudade...


Uma potiguar, uma paulista, um campinense, um pessoense...

Atos, peças...

Anônimo, de um teatro ao Biu...

Testes, danças, 8 passos, a atriz que não sabia interpretar...

Madrugada a revirarse,

Ribalta ao alvorecer...

Chamam prima, mas é irmã, e naqueles dias, ou noites, não importa o turno, ela era companhia...

Café, leite, bolo de ameixa, pet, Beatles, BB King, estrada...

Sr. Antônio de Guarabira, funcionário de São Jorge, digo: da São Jorge!

Já labutou em quase todas, e agora com um braço estendido se "arriscava", por 2 minutos ele chegou, mas se a seu filho ele "salvou", ao menos, o que se sabe, é que ele tentou!

Gestão pública, espaço público, trabalho, taxas, cartórios, prédio, escritura e um sorriso.

Uma mineira e três paraibanos, aliás, quatro!

Cuzcuz, ovo mexido, café, leite,

Foca!!!

Um cearense que gosta de meninos e meninas, uma recifense, gente diferente, atrasos persistentes e desestimulantes.

Pina Bausch, em múltiplas versões, o palco? Um espaço, o qual denominam cultural.

A caçula, o cunhado e seus "amigos".

Um mineiro, uma peruana, e eu em busca de Juliana.

A saída, o retorno...

Uma fila, e muitas companhias...

A esquerda a caçula Juliana, do outro lado uma colombiana, em seus braços a pequena e linda Luana Andressa, e ao lado da que estava a direita, a hermana mui amiga argentina, Meire.

No palco cujo teatro é uma Ponte - de Alicante - La Trócola espanhola...

Não há como se esconder,

Não há como fugir,

Tentar esquecer é querer sempre lembrar-se,

E até mesmo quando não se procura, envolto em braços maternais lá estas sobre a delicadeza...

O teatro que arranca a pele da existência e ressignifica ao dar a pele da vida...

"No começo me apaixonei por teu rosto, mas depois eu caí de amor pela tua alma",

No chão da existência, no caminho da vida, o sofrimento, a angústia e a tristeza são as pedras de Drummont que me levam da dor de existir à alegria de viver...

A vida é "obra de tapeçaria" que assim como as densas nuvens, o arco íris, o radiante sol, a brilhosa lua, relâmpagos e trovões, contrastam cores nubladas e tristes com às alegres e vivas...

A existência e a vida, irmãs gêmeas siamesas, são constituídas de alguns encontros, muitos desencontros e raros reencontros...

Sonha melhor e mais feliz, quem vive seus sonhos, sonhos são melhores sonhados, quando vividos...

Quero amar como Perla, e não como o padre,

Quero ter identidade, ser sujeito, e ser responsável...

"Ser feliz é tão simples, mas ninguém pode nos ensinar, a gente tem que aprender sozinho"...

Que eu não tire da solidão quem quer que seja, se a minha companhia, não a/o for uma boa companhia...

Cyrano de Bergerac, Paraíba, Cultura e Movimentos Sociais...

"No começo me apaixonei por teu rosto, mas depois eu caí de amor" pelo teu ser...

Tristeza é sentir saudades e não poder dizer...

Para o pássaro cantador amar com canções cujas as notas e melodias são os silêncios, é por demais, desafiador...

Kronos só consome, kairós causa ternura e é alentador...

A priori os teus olhos me arrebataram em partes, depois o teu ser me tomou por completo,

"O amor mora na saudade",

Suspeito então, que o teu nome é Saudade...

Teatro dá Saudade...

João Vicente Ferreira Neto



Postar um comentário